Tribos de mulheres estão a reestruturar o mundo!

Temos vindo a testemunhar uma grande mudança global nos últimos cinco anos. Mulheres a unirem-se em associações ou movimentos para mudar o debate, para impactar resultados e para que a sua voz se faça ouvir através da ação. As mulheres estão a mudar a maneira como os negócios são feitos, a maneira como o mundo é administrado, colocando diálogo, resultados e mudanças sociais em cima da mesa. O facto é que as mulheres continuam a ser uma força crescente na sociedade, estando a mudar o rumo dos negócios. Atualmente, existem mais de 226 milhões de mulheres a administrar negócios em todo o mundo, 33% de todas as empresas globais têm, hoje, CEO do sexo feminino, e é um facto que as mulheres investem 80% do seu rendimento no bem-estar e na educação das suas famílias. As mudanças têm acontecido a um ritmo global inacreditável. Todos sabemos que a igualdade de género faz parte de uma economia inteligente e que a diversidade de género é hoje uma prioridade dos negócios. Efetivamente, as mulheres estão a mudar o local de trabalho e a economia. Os estudos recentes demonstram que as mulheres trazem, de forma natural, para os seus negócios, conexão e autenticidade centrada no coração. Estatisticamente, as mulheres tendem a fazer escolhas mais ecológicas e estão muito mais preocupadas com o seu impacto no planeta e nas pessoas. As decisões de liderança tomadas pelas mulheres demonstram uma maior consciência social e são muito mais motivacionais. Além disso, alcançam melhores resultados, não valorizando os rituais tanto quanto os homens, questionando mais as regras sociais do que os homens; em geral, as mulheres têm uma base ética mais forte.

À medida que mais mulheres assumem papéis de liderança, percebe-se um pensamento mais diversificado, com mais inovação e ideias mais criativas em cima da mesa. A diversidade de género em todos os setores faz sentido para os negócios e é o que os investidores desejam, pressionando para que haja mais mulheres no topo. As mulheres perceberam que têm voz e, em todo o mundo, começaram a unir-se para alcançar as suas metas, objetivos e fazer com que a sua voz seja ouvida. As mulheres estão a usar “esteroides” e estão aqui para ficar. Mmamokwena Gaoretelelwe, Embaixadora da África do Sul em Portugal, diz que “juntas, as mulheres são como uma rocha” e de facto tem sido em tribos e com movimentos associativos que as mulheres têm visto a sociedade a começar a reconhecer os seus direitos, talentos e contribuição para o avanço do mundo moderno. Mas falta fazer muito na educação, nas atitudes, nas mentalidades, nas leis…

E é na politica onde o impacto da mulher tem sido menor e onde ainda não vemos verdadeiramente as mulheres representadas. Quem faz as leis e lidera a estruturação do país deve representar aqueles que nele vivem.

Há alguns anos, o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lançou um desafio ao concluir que muitos dos embaixadores credenciados em Portugal eram mulheres. Ele encorajou as embaixadoras do sexo feminino a unirem forças e assim nasceu a Associação de Mulheres Embaixadoras. Isso resultou em várias iniciativas lideradas pela Associação para valorizar o papel das mulheres na economia e os resultados foram surpreendentes. De facto, quando as mulheres se reúnem, tornam-se uma força infinita. E quando, homens e mulheres, unem forças e avançam juntos, então não há limite para o que a humanidade pode alcançar.

A conclusão apenas pode ser uma: empoderar as mulheres é desenvolver as nações.

Por: Linda Pereira, diretora executiva da CPL Events

Artigos Relacionados: