Previsões sobre a segurança cibernética em 2020

2019 foi o ano da cibersegurança, mas 2020 continua a ter uma relevância fundamental nesta área, se não mais, num momento em que a nível nacional as empresas continuam a ser “chamadas” para a digitalização, e os desafios que as redes 4G e 5G, a IoT e as Clouds representam, para não falarmos ainda de Edge Computing, conferem a todas empresas. Na Exclusive Networks suportamos os nossos clientes com um leque de parceiros que são líderes no tema a nivel mundial.

Inteligência Artificial (AI) agiliza os processos de segurança cibernética

A IA terá um impacto real em 2020 de uma maneira diferente da que estamos habituados a assistir: através da racionalização dos processos de segurança cibernética e da capacidade em garantir que as pessoas certas, com o conhecimento certo, estejam envolvidas em determinados projetos, a fim de enfrentar melhor os mais complexos desafios da cibersegurança.

A falsificação continuará a crescer

A ideia de contactos ou fontes digitais fiáveis está a atingir o nível mais baixo de todos os tempos, à medida que a falsificação continua a registar novos índices de crescimento. À medida que o conceito de falsificação continua a expandir-se para vídeo, áudio e outros formatos digitais, assistimos à passagem da falsificação simples para uma complexa rede de mentiras que abrange várias plataformas. Para tarefas críticas, as organizações já começaram a implementar controlos secundários para tentar identificar e impedir falsificações, seja o BEC ou outros métodos bem-sucedidos. Precisamos analisar de maneira mais ampla, tanto nas comunicações digitais quanto nos processos, como validar para atingir o grau de confiança exigido.

A Cloud torna-se especializada

Particularmente na região EMEA, parece que os limites virtuais para os dados estão a aumentar; muitas partes interessadas incentivam a “Cloud first” cada vez mais, mas acrescentando a ressalva de que os dados devem permanecer no país ou região. Isso é impulsionado pelo foco cada vez maior na privacidade.

OSC voltam à escola para aprender o caminho do DevOps

Nos próximos anos, o 5G permitirá uma explosão de dados da IoT, e as empresas procurarão tirar vantagem comercial. No entanto, com todos esses desafios pela frente que exigem uma abordagem ágil, muitas OSCs lutam com o modo como a segurança funciona num pipeline contínuo de integração e desenvolvimento, abrindo uma linguagem que para muitos ainda é estrangeira.

A desaceleração atual de 5G leva a uma onda IoT ainda maior

O 5G foi lançado em algumas cidades-piloto na Europa. No entanto o cenário político parece estar a travar a implantação do 5G, levando a atrasos de 12 a 24 meses. No entanto, isso não afeta a massa de dispositivos de IoT que estão a ser desenvolvidos para aproveitar o 4G existente e os benefícios futuros do 5G. Na realidade, tudo o que isso significa é que sempre que o 5G estiver em pleno andamento, haverá mais coisas 5G com acesso à Internet prontas para serem executadas.

A Terra é redonda, mas as redes continuam muito planas

Com mais cadeias de suprimentos, as APIs que ligam processos, dados e procedimentos digitais continuam a migrar para a Cloud e os regulamentos as empresas estão a dar um passo atrás e a redefinir as suas estruturas de rede. Muitos falam sobre os conceitos da rede Zero Trust (ZTN), mas existem dúvidas e, por isso, adiaram qualquer ação. Em 2020, veremos muitos a começar com novos processos ou com os mais críticos; a chave é que, à medida que continuamos a digitalizar e ligar processos, devemos limitar melhor o risco.

Por: Elizabeth Alves, Sales Manager da Exclusive Networks Portugal

Artigos Relacionados: