O maior guru mundial em coaching executivo vem a Portugal


A Vantagem+ traz a Portugal Marshall Goldsmith para falar daquela que é hoje uma das mais poderosas ferramentas de desenvolvimento de competências para gestores e líderes empresariais: o coaching e as suas metodologias.
Considerado o maior guru do mundo em coaching executivo, Marshall Goldsmith é o único a ser reconhecido por duas vezes pelo Thinkers50 (World’s Most Influential Management Thinkers) como o “#1 Leadership Thinking” a nível global.
O seminário COACHING FOR LEADERSHIP – Developing Ourselves, Building Our Teams and Encouraging Engagement terá lugar nos dias 26 e 27 de novembro, na Casa da Música, no Porto, e no CCB, em Lisboa, respetivamente.

Líder (L): No seminário COACHING FOR LEADERSHIP – Developing Ourselves, Building Our Teams and Encouraging Engagement, o que é que pretende transmitir aos participantes?

Marshall Goldsmith (MG): Os objetivos da sessão passam por: compreender os principais desafios que surgem com o sucesso na liderança e saber como usar o “what to stop” no desenvolvimento de coaching e liderança; praticar e estar pronto para usar o Feedforward – uma ferramenta positiva e focada na aprendizagem que foi implementada com sucesso em todo o mundo; aprender um processo comprovado para o desenvolvimento de liderança, coaching e team building, que é suportado por pesquisas premiadas que envolvem mais de 86 000 entrevistados; e estar preparado para usar perguntas do quotidiano – e especialmente perguntas ativas – para aumentar a eficácia e construir o compromisso.

L: Qual é a principal diferença entre os líderes de hoje e os de há 30 anos, quando começou a sua carreira?

MG: Cinco fatores-chave diferenciam o líder do futuro do líder do passado: pensamento global, consciência intercultural, conhecimento tecnológico, construção de alianças e parcerias, e o “líder enquanto facilitador” ao contrário do “líder enquanto especialista”.

L: Já trabalhou com mais de 150 dos CEO de topo da atualidade e com as suas equipas de gestão. Que balanço faz desse trabalho?

MG: A liderança hoje é mais importante do que nunca. Os líderes de hoje gerem trabalhadores do conhecimento – pessoas que sabem mais sobre o que estão a fazer do que os seus gestores. Quando lideram os trabalhadores do conhecimento, os líderes necessitam de perguntar, ouvir e aprender – e não apenas mandar e dizer o que fazer.

L: O que acontece quando entra numa organização?

MG: Depende muito. Eu tanto sou solicitado para formar gestores (começando com o CEO) sobre a forma como podem aumentar sua eficácia, bem como me pedem para mentorear líderes (seja o atual ou o futuro CEO).

L: Já instruiu muitos CEO… Alguma vez trabalhou com líderes portugueses?

MG: Eu já ministrei cursos de liderança para muitos líderes de Portugal, mas nunca fui coach executivo de um CEO português.

L: Que conselho daria aos líderes portugueses?

MG: Portugal está a passar por grandes mudanças. Os líderes precisam de ser ótimos modelos, ótimos exemplos. Se vai pedir a outras pessoas para mudar – para atender às necessidades do novo mundo –, enquanto líder, tem de estar disposto a mudar também.

L: As diferenças culturais afetam a eficácia do seu método e a formação/coaching em geral?

MG: O nosso processo de coaching já foi implementado com sucesso em todo o mundo. A razão pela qual isso funciona em todas as culturas deve-se aos nossos coaches que estão centrados nos stakeholders e que são capazes de ajudar os líderes a aprender com as pessoas mais importantes nas suas vidas – os nossos coaches não são especialistas que aplicam as mesmas soluções a toda a gente, de forma generalizada.

Artigos Relacionados: