O fenómeno da avaliação de desempenho

Provavelmente, existem tantas definições de avaliação de desempenho quanto pessoas. Cada ser humano, subjetivamente, encara este processo como algo diferente, complexo, levando a que haja um infindável número de mal-entendidos sobre aquela que é uma das maiores ferramentas da motivação humana.

Possivelmente, diria que se trata do processo de liderança mais desejado, mas, simultaneamente, mais impopular no seio da organização.

A avaliação de desempenho é algo fundamental na medida em que compara resultados obtidos com resultados esperados, com objetivos definidos. Permite conhecer e mensurar o desempenho efetivo de cada colaborador na organização.

Para o crescimento da organização, a opção avaliar ou não o desempenho não é uma escolha. Sem este diagnóstico, através de ferramentas específicas, os líderes das organizações têm dificuldades em definir os caminhos a seguir, as estratégias a implementar.

Não pode ser um processo arcaico, tem de ser responsável, estandardizado, objetivo que acarreta responsabilidades de mudança para a organização e para o colaborador. Ao promover o engagement, este recurso valioso torna todos mais accountable, e ao permitir o feedback bidirecional, traz a possibilidade e oportunidade de mudança, tornando todos mais eficientes e eficazes.

Todas os líderes anseiam por mudar a forma como avaliam os seus colaboradores, mas poucos têm coragem de o fazer e reduzem a avaliação de desempenho a um único momento anual, onde se decide aumentos, promoções e prémios. Fica a faltar o que fomenta a sustentabilidade: avaliar a forma como o líder e o colaborador encaram as oportunidades de crescimento, de melhoria e de evolução da performance, basicamente o que faz a verdadeira diferença.

Por: Vera de Melo, CEO/partner da Your People

Artigos Relacionados: