Nova tecnologia permite perceber melhor os tumores cerebrais

O Instituto de Telecomunicações (IT) desenvolveu – em parceria com a Universidade do Algarve (UAlg) – novos componentes eletrónicos que permitem, pela primeira vez, a medição da atividade elétrica de células cancerosas do sistema nervoso. A tecnologia de medição foi testada em laboratório, com células derivadas de tumores cerebrais de rato – do tipo astroglioma –, e levanta novas questões sobre a possível sinalização elétrica produzida pelos tumores e sobre o seu impacto na fisiologia cerebral.
A equipa multidisciplinar observou que as células de um tumor cerebral podem gerar atividade elétrica, que pode, por sua vez, interferir com o normal funcionamento do cérebro e, eventualmente, contribuir para crises epiléticas – que surgem, frequentemente, associadas a tumores cerebrais. Neste sentido, a tecnologia possibilita o desenvolvimento de terapias direcionadas para estas alterações de atividade elétrica, podendo reduzir o impacto das crises epiléticas em pacientes oncológicos e melhorar, significativamente, a sua qualidade de vida.
O estudo é liderado por Henrique Gomes, investigador do IT e docente no Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática da Faculdade de Ciências e Tecnologias da UAlg, em colaboração com Inês Araújo, investigadora do Centro de Investigação em Biomedicina da UAlg. O projeto foi financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e pelo Instituto de Telecomunicações.

Artigos Relacionados: