Geração Z: o que procuram os nativos da era digital no mercado de trabalho?

Com a entrada de mais uma geração no mercado de trabalho, e com cinco gerações diferentes a trabalhar lado a lado, a Dell elaborou um estudo sobre a geração em causa, a Geração Z. Este inquérito online centrou-se em alunos de escolas secundárias e pós-secundárias em 17 países de todo o mundo, e contou com 12 000 indivíduos com idades entre os 16 e os 23 anos. Este foi um dos maiores estudos do seu género a recolher dados sobre as atuais atitudes e opiniões acerca da tecnologia e do local de trabalho, fornecidas pelos jovens que irão entrar no mercado de trabalho nos próximos anos.

Os integrantes da Geração Z, conhecidos por serem nativos da era digital, entraram para renovar a força de trabalho a nível mundial, e neste momento os dados recolhidos dão conta que 80% desta força de trabalho desejam trabalhar com tecnologias inovadoras e mais de um terço está mesmo interessada em carreiras nas Tecnologias da Informação. Sentimos que os trabalhadores da Gen Z entram para o mercado com uma mentalidade que coloca a tecnologia em primeiro lugar, o que por sua vez alavanca os negócios – estes têm um conhecimento profundo da tecnologia e do seu potencial transformador no mundo do trabalho e pessoal. Esta pode representar uma lufada de ar fresco para o tecido empresarial, uma vez que os membros da Gen Z demonstram uma enorme vontade de serem mentores dos seus colegas mais velhos no que diz respeito ao mundo da tecnologia, enquanto simultaneamente adquirem soft skills e experiência no local de trabalho.

Estes colaboradores pós-millennials representam uma mais-valia para as empresas que neste momento estão a recorrer a tecnologias emergentes como forma de potenciar a sua transformação digital, uma vez que devido às suas competências avançadas em tecnologia e ciência de dados vêm acrescentar um nível de maturidade digital mais elevado. Aliás, 91% dos jovens inquiridos referem que a tecnologia disponibilizada é um fator na hora da escolha de diferentes oportunidades de emprego e, simultaneamente, depositam na tecnologia e automação a responsabilidade de criar um ambiente de trabalho equitativo, impedindo os desequilíbrios e a descriminação.

Os membros da Geração Z, muito embora estejam habituados a interagir com tecnologia particamente desde o nascimento e privilegiarem os papéis das redes sociais na sua vida, valorizam, também, o lado pessoal, e quando entram no mercado de trabalho, estes mesmos jovens procuram uma maior interação humana no seu local de trabalho e elegem a comunicação interpessoal como o seu método preferido de comunicação com colegas. Inclusive, procuram conversar com os colegas para aprenderem mais, em detrimento de procurarem informação online.

Ao olhar para os resultados obtidos neste estudo, refletimos que esta nova onda de trabalhadores são jovens profissionais curiosos e preparados para o futuro, que anseiam por aprender mais com os colegas mais velhos. A meu ver, tal acontece muito devido ao ambiente colaborativo em que esta geração cresceu, onde a tecnologia surge como um apêndice à realidade.

Por: Gonçalo Ferreira, general manager for DellEMC Commercial in Portugal

Artigos Relacionados: