Equipas de alto desempenho

É cada vez mais importante para as organizações manter a competitividade perante um contexto de globalização, cada vez mais exigente e dinâmico. O detalhe é que os elevados índices de produtividade não são conquistados apenas com a modernização das operações ou com o aumento do número de Recursos Humanos. Como tal, as organizações anseiam, cada vez mais, por ter na sua estrutura, equipas de excelência, o que pressupõe a existência de um ambiente interno capaz de gerar a energia que irá propiciar elevada performance das equipas. Equipas de alto desempenho têm na sua estrutura, profissionais com características, obviamente especiais, a destacar:

  • Compromisso máximo para com a organização, quanto à sua missão e valores;
  • Consciência plena de como o seu trabalho contribui diretamente para os objetivos e crescimento da empresa;
  • Fortes habilidades interpessoais;
  • Ausência de um espírito de acomodação – todos os membros promovem e estimulam o desempenho individual uns dos outros, visando o sucesso e performance da equipa;
  • Forte capacidade de negociação e decisão, aliados a um espírito de consenso;
  • Motivação intrínseca de superar as expectativas dos outros;
  • Procura natural por formas de transpor os objetivos que lhe são definidos;
  • Competências técnicas para executar as tarefas da sua responsabilidade;
  • Pensamento crítico, baseado na capacidade de “pensar fora da caixa”;
  • Disponibilidade para fazer o esforço extra, quando necessário;
  • Autoconfiança, dedicação e espírito de união.

Existe, ainda, outro fator fundamental e responsável por uma performance extraordinária das equipas: o seu líder. Vários são os estudos e artigos que realçam haver uma relação intrínseca entre os níveis de desempenho das equipas e o comportamento ou estratégias de gestão do seu líder.

Deixar as expectativas claras
O líder deve deixar claro o que espera da sua equipa e de cada membro que a constitui. Não podem existir dúvidas quanto a prazos e metas que a equipa deve cumprir.

Criar uma visão partilhada
A equipa deve ter uma visão comum e clara das consequências positivas e negativas associadas à sua performance.

Criar uma missão com a equipa
Equipas que entendem o propósito daquilo que estão a fazer são mais dedicadas do que as que não têm esse foco. Fazer com que a equipa tenha orgulho de si mesma é como plantar a semente do compromisso e da produtividade.

Fixar objetivos e metas
Uma equipa de sucesso tem pessoas que trabalham para os mesmos objetivos. É fundamental que a equipa participe na elaboração dos objetivos e metas da sua área de trabalho ou projeto. Isso acarretará consigo um compromisso e o envolvimento de todos.

Estabelecer as “regras do jogo”
É uma espécie de contrato psicológico. Dialogar com a equipa e, em conjunto, estabelecer as regras de comportamento, conceito de flexibilidade de horário, interação da equipa, entre outros pormenores, promove um ambiente de participação e compromisso que são fundamentais para a maturidade da equipa.

Fomentar a autonomia (empowerment)
Definir claramente os limites de autoridade e responsabilidade de cada elemento da equipa é, ao mesmo tempo, um exercício de delegação de tarefas. Líderes autênticos delegam tudo o que podem e devem. Autonomia e sentido de responsabilidade é um dos instrumentos que mais auxiliam e desenvolvem as competências da equipa.

Manter a equipa treinada
Proporcionar regularmente formação aos seus membros contribuirá decisivamente para a reciclagem e atualização de competências. Um líder não deve ter receio da “sombra”. Deve investir em si e na sua equipa. Uma equipa que reconhece o seu líder como alguém que ajuda os membros da sua equipa a crescer profissionalmente, terá uma equipa pronta a lutar pelo seu sucesso também.

Otimização de relatórios
Se uma equipa tem pessoas inteligentes e talentosas, aptas a desenvolver as funções designadas, então a microgestão e supervisão exagerada deve ser evitada. Relatórios em demasia são normalmente vistos como antiprodutivos pelos membros das equipas. Reduzir ao máximo a quantidade de relatórios a serem produzidos por uma equipa permitirá que os seus membros se concentrem no trabalho a ser feito e não no que já foi feito.

Criação de um senso de urgência nas atividades
Uma estratégia inteligente para elevar a produtividade de uma equipa passa por criar um sentido de urgência em cada atividade, deixando claro que tudo deve ser feito com rapidez e qualidade. A resposta a um simples e-mail deve ser imediata e, caso o seu conteúdo necessite de uma análise mais detalhada ou multidisciplinar, o remetente deve ser informado de quando pode contar com a resposta. Esta abordagem deve, igualmente, ser aplicada a toda e qualquer atividade ou processo gerido pela equipa.

Demonstrar apreço
Todo o ser humano tem necessidades emocionais, mesmo no contexto profissional. O reconhecimento das qualidades dos membros da equipa, só irá promover o sentimento de felicidade, confiança e a motivação individual.

Fornecer feedback em tempo real
Feedback de desempenho em tempo real promove a autoconfiança e permite aos membros da equipa saberem que estão no rumo certo. Reconhecer imediatamente realizações bem-sucedidas ou áreas que precisam ser melhoradas, só ajudam a elevar a performance da equipa e a evitar frustrações quando o feedback é negativo e tardio.

Implementar a “caixa de sugestões”
Este conceito estimula os colaboradores a pensar em equipa, na procura de soluções para os problemas e a desafiar aquilo “que é feito assim, porque sempre foi assim”. Trata-se de uma ferramenta simples e de muito baixo custo, mas de grande potencial, por dar a oportunidade à equipa de se expressar e lançar sugestões, sendo uma fonte de ideias para o líder.

Promover o pensamento crítico
O “desacordo construtivo” é sempre positivo para a evolução e amadurecimento da equipa na análise de problemas, soluções e decisões. Promove, ainda, o espírito de entreajuda na equipa.

Promover convívios (“get together”)
Equipas produtivas e motivadas convivem de tempos em tempos fora do ambiente de trabalho. É importante que os membros da equipa convivam e se conheçam mutuamente, porque permite que interajam mais, dialoguem, troquem ideias e passem a confiar mais uns nos outros. O líder da equipa deve promover a organização desses “get together”.

Líderes de excelência dão tendencialmente origem a equipas de excelência. Todavia, existem fatores corporativos igualmente necessários para que as organizações tenham na sua estrutura equipas de alto desempenho. Políticas de gestão de Recursos Humanos com foco no desenvolvimento e retenção do seu capital humano, com destaque para planos de progressão na carreira e pacotes salariais atrativos, são, também, fundamentais para a criação de um espírito de missão em prole da organização, com resultado direto no desempenho.

Por: Nuno Lago de Carvalho, senior project management member na Direção de Projetos Industriais da TOTAL Oil & Gas, em Singapura

Artigos Relacionados: