Carro elétrico com carregamento solar vai estar à venda já em 2019

A Sono Motors, startup sediada em Munique e fundada em 2016, planeia introduzir no mercado, já no próximo ano, um carro solar 100% elétrico. O modelo chama-se Sion e está já em fase final de testes no que toca ao sistema de carregamento das respetivas baterias, precisamente aquilo que distingue este veículo.

Com 330 células fotovoltaicas espalhadas pela carroçaria, do tejadilho às laterais, passando pelo capô, o Sion está a ser testado sob o intenso sol da Baviera, com a Sono Motors a prometer que, num dia, o modelo é capaz de gerar energia suficiente para percorrer mais 30 km, sendo certo que isso dependerá sempre (e muito) das condições de luz e do número de horas que o Sion esteja estacionado. Mas o modelo, que anunciará à volta de 250 km de autonomia em condições reais de utilização, também pode ser recarregado numa tomada convencional, o que faz com que este veículo elétrico seja ainda mais apelativo, uma vez que não está limitada ao carregamento solar.

Por outro lado, o preço também será um dos seus principais trunfos: cerca de 16 mil euros, excluindo a bateria. Daí que a empresa afirme ter já 6795 reservas para um carro que ainda nem sequer completou a fase de testes.

Com uma autonomia razoável, um preço acessível e uma tecnologia que lhe permite recarregar as baterias sem qualquer custo, até mesmo em andamento, o Sion parece bom demais para ser verdade.

De referir que a Toyota já tentou fazer algo semelhante, ao tornar o tejadilho do Prius numa espécie de painel solar, mas este destinava-se a alimentar apenas os sistemas auxiliares a bordo, que funcionavam a eletricidade, e não a assegurar a locomoção do veículo.

O cofundador da startup, Laurin Hahn, referiu recentemente à Automotive News que o Sion terá “bancos aquecidos, ar condicionado e um sistema de infoentretenimento a que posso ligar o meu smartphone”. E reforça, “estamos a falar de um veículo simples, mas completo”.

As dúvidas e os ceticismos em relação a este veículo são inúmeros, mas caso se concretize tudo o que foi anunciado, este elétrico pode ser bastante competitivo face à concorrência. Isto porque a compra da bateria – que também pode ser alugada e cuja capacidade se situará entre os 35 e os 45 kWh – implica o desembolso de mais €4000. Um valor acessível, tendo em conta que a bateria do Zoe (41 kWh) custa cerca de €8000.

Artigos Relacionados: